É habitual nos empreendimentos comercias a presença do serviço de valet terceirizado. Esse serviço é prestado aos condôminos ou clientes mensalistas/ avulsos. Os condôminos, normalmente, não pagam por esse serviço, pois, muitas vezes, são proprietários de vagas determinadas ou indeterminadas.  O mensalista paga um valor fixo e, dependendo da negociação, utiliza-se do estacionamento de forma livre dentro da vigência do contrato com o estacionamento. Já o cliente avulso paga, pelo uso do estacionamento, de acordo com sua utilização – por hora. O acesso ao estacionamento do condomínio, em muitos empreendimentos, é realizado pelos condôminos e/ou mensalistas por meio de um cartão magnético, controle remoto ou  tag. Ocorre que, por situações diversas, o condômino ou mensalista pode esquecer esse cartão, controle remoto ou até mesmo fazer uso de outro veículo que não tenha o tag instalado em determinada ocasião. Dessa forma, o serviço de valet deve criar métodos de controle para assegurar e garantir o acesso ao condômino ou seu cliente mensalista sem qualquer custo adicional. Por óbvio, o serviço de valet deve fazer todas as checagens para garantir a segurança do condomínio, mas não pode impedir o acesso do condômino ou mensalista ao condomínio, bem como não pode exigir o pagamento de uma diária ou exigir o pagamento do mesmo como se fosse um cliente avulso. Aceitar tal prática é transferir ao condômino e/ou mensalista o risco da sua própria atividade do serviço de valet. Portanto, ilegal e injusta qualquer cobrança adicional realizada pelo serviço de valet, caso o condômino ou mensalista não esteja de posse do cartão de acesso, controle remoto ou esteja conduzindo outro veículo não cadastrado, desde que o responsável esteja devidamente identificado. O serviço de valet pode cobrar pela reemissão do cartão de acesso, controle remoto ou tag, mas não pode impedir o acesso, constranger o cliente, bem como não pode exigir o pagamento de nenhum valor adicional. O condômino ou cliente mensalista deve somente apresentar sua identificação e, após essa verificação, deve ter o seu acesso liberado, sem nenhum custo adicional. No entanto, havendo por parte do serviço de valet qualquer abuso ou constrangimento ao condômino e/ou mensalista, esse poderá pleitear uma indenização por danos morais de acordo com a forma de abordagem ou avaliação do caso concreto, além da devolução dos valores cobrados indevidamente pelo serviço de valet.