Pirâmide Virtual e as Criptomoedas

Nova lei estabelece obrigatoriedade de manutenção em ar condicionado
2 de março de 2018

Pirâmide Virtual e as Criptomoedas

Inúmeros problemas ameaçam o mercado das moedas virtuais. A falta de regulamentação do mercado de moedas virtuais, já demonstrou claramente que algumas empresas, utilizando-se das criptomoedas, funcionam como fachada para mascarar verdadeira pirâmide financeira. Esse tipo de fraude representa um modelo de negócio (em tese, ilícito) e não sustentável, pois promete resultados altíssimos que dependem, exclusivamente, do recrutamento progressivo e contínuo de pessoas. A promessa de alto rendimento é um dos principais atrativos para capturar investidores de diversos setores da economia. Entre os potenciais investidores nesse mercado de moedas virtuais temos, entre outros, grandes empresários, aposentados, celebridades e até especialistas do mercado financeiro. Todos, sem exceção, foram seduzidos pela promessa de alta rentabilidade apresentada por algumas empresas de fachada e supostamente ligadas ao seguimento de moedas virtuais. A principal moeda utilizada para atrair os investidores é o Bitcoin. Muitas empresas de fachada, desse segmento – moedas virtuais, utilizam-se de estruturas luxuosas, jantares ou almoços em locais badalados e algumas delas utilizam-se de artistas e/ou personalidades famosas para promover e trazer credibilidade para o negócio. No entanto, já diziam os antigos: “Quando a esmola é grande, o velho desconfia”. Sites especializados apontam a existência de mais de 140 (cento e quarenta) empresas suspeitas e essa lista cresce diariamente. Se investir em moedas virtuais esteja atento e antecipe-se. É importante ter em mãos todos os documentos que respaldem as operações. Faça uma pesquisa detalhada sobre o segmento e opções disponíveis, antes de investir no mercado de moedas virtuais. Desconfie de propostas vantajosas e distantes da realidade do mercado. Caso tenha sido lesado, procure imediatamente um advogado especialista. É muito importante avaliar cada caso individualmente, antes de tomar qualquer atitude no âmbito civil e/ou criminal.

Por Alex Araujo Terras Gonçalves, sócio do escritório Terras Gonçalves Advogados